2008-12-19

foto&legenda # 430 (director’s cut)

Antigamente era a produção artesanal, a manufactura. A vida demorava mais. Agora a vida é uma indústria, uma fábrica de teelnovelas. Várias todos os dias, todos os dias santíssimos, de manhã, à tarde e à noite. Muitas não vemos - são tantas, chiça - e outras são repetidas, reposições. O que fazemos? Depende do tempo e da disposição. Mas a maior parte das vezes ficamos a ver o que acontece e a imaginar o que poderia ou pode acontecer. O natal é muito isto também. Um costume com teelcomando. O presépio, as luzinhas, o pai natal pendurado numa parede exterior como um meliante mesmo a jeito para levar uma chumbada de uma espingarda de ar comprimido, o bacalhau com couves sobre a mesa, o bolo rei ou - se o gosto for outro - o bolo rainha, as filhoses, a família reunida, a lareira acesa, a missa do galo e a ânsia das crianças que esperam as doze badaladas. A histeria natalícia dos cachopos é uma constante das últimas gerações, pode dizer-se. Aquilo da peúga para receber os pacotes embrulhados com papel bonito, às cores, e com laçarote ou lacinho é que está meio fora de moda, não está? E os filmes antigos?, alguém se lembra dos filmes antigos? Na noite de natal a teelvisão devia passar mais filmes desses, dos anos quarenta e cinquenta e a preto e branco. Para não estarmos a ver sempre a mesma coisa, o filme habitual, vezes e vezes sem conta. Ou o caraças.
fotografia © Pedro Gonçalves
legenda © Sérgio Faria

3 comentários:

PG disse...

Uma chumbada comprimidissima e positivamente enterrada no nalgedo balofo e atulhado do pai natal. Ora aí está um santo natal!
Esta tua legenda está tão diferente das outras que por aqui vão aparecendo.

sf disse...

é como a tua fotografia, também tão diferente das outras que por aqui vão aparecendo. talvez seja da época.

Sérgio Ribeiro disse...

E um abraço daqui? De Ho Chi Minh Ville?
Para vocês, fotógrafo e legendador... porque, para a modelo, vai um beijinho.

Isto é que vai uma época!