2008-02-27

Sol(o) e sombra

O clarinetista procurou uma sombra onde pudesse soltar os sons. Encontrou. Pobre, raquítica, saudosa de ante(s)passadas sombras que por ali havia. E outras coisas também. Os sons eram pungentes. Ou eu assim os ouvi ao ver a fotografia.
Foto de Pedro Gonçalves
Legenda de Sérgio Ribeiro
Pós-legenda: Meio-tresmalhado tenho andado, sim senhor homónimo mais novo. Mas sem nunca perder o trilho ou o malho. E vocência, que raio de ameaças são essas? Ora tenha juizo e façófavor de continuar a trazer p'ráqui as imagens que encontre e descubra mail'a sua prosa.

5 comentários:

pg disse...

Sons pungentes só os do gajo do Favacal quando come açorda. Nem te conto...

SR disse...

Esses são mais para o pingentes ou pendentes... isto presumo eu, que nunca assisti a esses concertos ou desconsertos.

tiago disse...

este pg, vem para aqui desconversar... e pá, dêem o desconto que o gajo ainda anda a comer caju!

pg disse...

Antes caju que no...

Axpegix disse...

cant stop this thing you´ve started...